Mestrando em Letras levará o estudo da canção de Almir Sater e Paulo Simões para o Integra UFMS

Postado por: Gabriele Silva

O trabalho “Serra de Maracaju: seus mistérios quero traduzir”, recorte do projeto de mestrado “(Em) Serra de Maracaju, Sonhos Guaranis”, será apresentado na terceira edição do Integra UFMS. O trabalho problematiza e analisa a canção Serra de Maracaju e é de autoria de Flávio Faccioni, sob orientação da professora Claudete Cameschi de Souza.

“O objetivo central do nosso trabalho é mostrar, por meio das canções, a formação do povo sul-mato-grossense. Então é apresentar como essas canções representam os povos”, explica Flávio. 

Flávio Faccioni, Mestrando do curso de Letras do campus de Três Lagoas.

O mestrando estuda as representações dos povos indígenas, as memórias e a história nas canções Kikio (Geraldo Espindola), Serra de Maracaju (Almir Sater e Paulo Simões) e Sonhos Guaranis (Paulo Simões e Almir Sater). Umas das justificativas do trabalho, segundo ele, deve-se a realidade de Mato Grosso do Sul, que abriga a segunda maior população indígena do Brasil.

A pesquisa nasceu pelo interesse do acadêmico, desde o início da graduação, pela cultura indígena e por sua afinidade pela música, símbolo do povo sul-mato-grossense. Foi por meio de sua orientadora que Flávio pode conhecer os povos do etnoterritório “Povos do Pantanal” e as canções sul-mato-grossenses. 

Flávio entrevistou os três cantores que compuseram as canções estudadas para problematizar as discussões do trabalho. O mestrando também realizou, em dezembro de 2018, uma pesquisa de campo no interior do Paraguai. Esta viagem propiciou a entrevista com a socióloga Milda Rivarola, detentora de importantes arquivos históricos paraguaios e latinos, o que contribuiu grandemente com as reflexões propostas. 

Por meio da análise do discurso de linha francesa, as problematizações e discussões levaram o pesquisador para diversos eventos científicos, nacionais e internacionais, como Portugal e Bolívia. Na Bolívia, por exemplo, Flávio ministrou o curso “Brasil Pantanal” no Centro Cultural Brasil Bolívia, na Embaixada do Brasil em La Paz. Nesta oportunidade, Flávio usou as canções estudadas para ensinar língua portuguesa aos bolivianos. 

As expectativas para o Integra 2019 são altas. O estudante, além de expositor, será monitor de línguas e recepcionará os pesquisadores que falam espanhol. A oportunidade de intercambiar conhecimentos e prestigiar a entrega do título de Doutor Honoris Causa a Almir Sater, pela UFMS, incentivam Flávio a representar, mais uma vez, o Campus de Três Lagoas no maior evento cientifico do estado.  

Grupo de alunos do CCBB/Embaixada do Brasil em La Paz.

Texto: Evelyn da Costa Souza (estagiária do CPTL) e Gabriele Cássia ( Monitora Integra UFMS).